Vacina da AstraZeneca reduz transmissão do vírus em 67% após uma dose

Estudo da Universidade de Oxford revela não apenas que as pessoas vacinadas estão protegidas da doença, como são menos capazes de a transmitir.

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca com a Universidade de Oxford reduz a transmissão do vírus em 67% após a primeira dose, segundo uma análise aos ensaios clínicos atualmente em revisão, foi anunciado.

O estudo da Universidade de Oxford, que deverá ser ainda validado por pares antes da publicação, revela não apenas que as pessoas vacinadas estão protegidas da doença, como são menos capazes de a transmitir a outras, noticia a agência France-Presse.

O responsável do projeto, Andrew Pollard, disse hoje à BBC que esta vacina pode ter um “grande impacto” ao nível da transmissão, notando que os testes foram feitos antes do aparecimento das variantes mais contagiosas do novo coronavírus, que “está a tentar encontrar a qualquer custo formas de continuar a ser transmitido”.

O estudo mostra uma eficácia de 76% contra infeções após a primeira dose da vacina, eficácia que se mantém por três meses. A eficácia aumenta para 82% após uma segunda dose tomada três meses depois.

Estes dados suportam a estratégia do Governo britânico que, para vacinar de forma mais ampla, decidiu adiar a segunda dose até 12 semanas, para chegar ao maior número de pessoas.

No Reino Unido estão a ser usadas duas vacinas contra a covid-19, a da AstraZeneca/Oxford e a da Pfizer/BioNTech, às quais se juntará a da Moderna na primavera.

“Isto apoia categoricamente a estratégia que estamos a desenvolver”, afirmou à BBC o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, referindo ainda que “mostra ao mundo que a vacina de Oxford está a funcionar bem”.

A estratégia do Governo britânico, que aprovou as vacinas em dezembro e decidiu adiar a toma da segunda dose, tem sido criticada, particularmente pela França.

Ao contrário do Reino Unido, França e Alemanha não recomendam a vacina da AstraZeneca para maiores de 65 anos, embora a agência europeia a tenha aprovado para todos os adultos.

O secretário de Estado francês para os Assuntos Europeus, Clément Beaune, considerou que o Reino Unido “está a assumir muitos riscos”, porque aposta de forma maioritária numa única vacina e porque alargou os prazos entre as injeções necessárias, “algo que os especialistas desaconselham”.

Descubra mais sobre a Vacinação em Portugal

VACINAS DO PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO

A melhor proteção contra doença

VACINAS OPCIONAIS

Livres e opcionais na protecção extra

VACINAS NO ADULTO

Sabia que a gripe sazonal é evitável

VACINAS DO VIAJANTE

Antes de viajar consulte o seu médico